quarta-feira, março 19, 2008

Dia do Papá

"Conheceu-me de noite
Não fiquei sozinho
E com algum açoite
Endireitou-me o caminho
Quando mais crescido
Mandou-me olhar além
Ensinando-me o devido
Respeito pela mãe
Disse-me: olha em em frente
E vê mais acima
Admira eloquente
A providência divina
Deu pareceres sublimes
Quando eu era jovem
Para dar passos firmes
Quando fosse homem
Deu-me lições de vida
De amor, fraternidade
Lançou-me na corrida
Da honra e da verdade
Ainda os seus passos
São o meu exemplo
Aumentando os laços
Do homem que contemplo
Seu franco sorrir
Contagia sem fim
Por isso é bom seguir
Um homem assim
Fossem todos os pais
Assim para os filhos
Não haveria tantos ais
Nem tantos sarilhos
Apesar de já ser
Avançada a idade
Continuo a ter
um pai de verdade.
Obrigado meu velho
Por ainda estares aí
E por seres o espelho
Onde sempre me revi."
Henrique António Carvalho
in Jornal S. Miguel da Maia

Um poema que conheci depois da minha reunião semanal comigo e com o meu superior, que guardo há 364 dias para o publicar hoje, no dia do Papá. Por ser um exemplo real, por demonstrar o que quero sentir daqui a muitos anos, aqui fica...

Ao meu Papá.

um beijo*
menina do sorriso

1 comentário:

Eu mesma disse...

Emoção, ao ler.te.
Conheço a exaltação do teu espírito ao viver o que transpareceste, e é tão bonito, querida Mó.
Tenho um Pai "de Verdade" à pouco tempo, e começo a saber o que é.
Sabe a... porto de abrigo.
A sensação de que não estamos sozinhos.

Obrigada pela partilha!
**